Quem somos | Envie dicas | Contato

logitech g27

Sempre gostei de carros. Como meu profile descreve, leio 4Rodas desde os 5 anos. Gostar de jogos de carros era o caminho natural e joguei quase todos: Enduro, TestDrive (em monitor de fósforo verde), Super Mônaco, Top Gear, Gran Turismo’s e  diversos outros. Mas sempre notei que faltava algo para a diversão ficar completa. Faltava.

Depois do G27 todos os jogos de carros e corridas mudaram… e ficaram muito mais divertidos.

 

O kit é generoso e contém:

Módulo Volante

  • Acabamento em couro de verdade
  • 6 botões customizáveis no painel do volante
  • Sistema de led´s  com sincronização de giro do motor do carro virtual
  • 2 pad shift´s em metal escovado que acompanham o giro do volante
  • 900 graus de giro total
  • Internamente: 2 motores de force feedback, leitor ótico de movimento do volante e motor de vibração

Módulo Câmbio + Controles:

  • 4 botões + direcional (equivalente aos gamepad´s)
  • 4 botões customizaveis
  • Alavanca de câmbio com 6 marchas + ré

Módulo Pedais

  • 3 pedais: embreagem, freio e acelerador
  • Feitos em aço escovado e com molas resistentes e fortes para maior precisão

 

Utilização

O game de referência utilizado para esse review foi o Gran Turismo 5 do PS3. Ele é compatível com todas as funções do G27. Foi testado também no F1-2010 para PC, mas esse libera o giro do volante para apenas 200º e não dá suporte nem à embreagem, nem à alavanca de câmbio (natural que essas limitações ocorram num carro de F1 de hoje em dia).

Dito isso, hora de se divertir. E o G27 é pura diversão.

A ideia de começar a correr com uma BMW de mais de 300cv e nenhum tipo de ajuste em Nurburgring foi catastrófica. Parecia uma bola de pinball quicando em muros. Isso é normal porque o volante exige curva de aprendizagem. Por isso peguei carros mais lentos em pistas mais fáceis. Mas uma vez acostumado, hora de levar os brinquedinhos para pistas e é ai que o volante se destaca

 

Curvas, Ondulações e Batidas

Os dois motores de force feedback lutam contra suas mãos a cada curva. Cada ondulação é sentida com vibração e o volante puxando para os lados. Uma curva com tangência negativa vai puxar muito mais que uma curva com tangência positiva e bem destacada. Deixar o volante solto é um convite a perder o controle do carro. Em curvas “cotovelo” de baixa velocidade você precisa girar muito mais o volante. E ele volta sozinho a posição inicial como um carro faria.

O nível de realidade é destacado em algumas situações: Os saltos que um carro pode dar em uma pista são um exemplo claro disso. No salto o volante se solta, ficando leve e em seguida ele te dá um tranco forte e puxa para um lado quando o carro atinge o solo.

O motor de vibração ecoa na mesa a cada passada com a roda na grama ou ondulação da pista. Passar em cima de uma chicane é um convite a acordar as pessoas se você estiver com o G27 em uma mesa de madeira.

As perdas de direção que são facilmente corrigidas com o game pad viram sinônimo de muro com o G27. Mas a alegria de um contra esterço perfeito ao perder a traseira do carro é excelente.

 

Outros Pontos

Os pedais tem ótima precisão. O freio tem uma mola mais dura, o que é fundamental ao dirigir um race-car puro sangue sem ABS.

O único ponto negativo é a alavanca de câmbio. Seus engates são compactos demais e você demora para acostumar a engatar algumas marchas.

Minha filosofia é no geral só utilizar as borboletas em carros que ofereçam o recurso (assim como ABS e controle de tração) mas em corridas mais longas ou de endurance não dá para ficar sem as borboletas mesmo que o carro não o tenha originalmente. É especialmente difícil dirigir um Jaguar Race Car 1989 de quase 800cv sem ABS e controle de tração… some a  alavanca de câmbio e ele se torna uma tortura e, bom, isso ainda é um jogo, o prazer tem que existir. Nesse tipo de caso eu prefiro ligar a eletrônica e abandonar a alavanca de câmbio usando as borboletas

 

Veredito

O G27 é sensacional. Qualquer jogo de simulação de carros se torna um novo jogo com ele. Simplesmente não existe a menor graça usar o gamepad depois de utilizar um bom volante – e cuidado ao usar volantes muito baratos, o nível de precisão é ruim e existe um lag entre o giro do volante e a ação do carro, o que torna as coisas um pouco insuportáveis em alguns jogos que não conseguem corrigir esse atraso por software.

O preço do Logitech G27 varia bastante, e no momento o melhor entre lojas mais confiáveis é R$ 765 à vista no MegaMamute. Trazer de fora é vantajoso já que o preço médio é de US$ 250,00, porém é uma caixa grande e pesada, pode ser difícil de transportar e chamar atenção demais – imposto ao entrar no país é provável.

 

Sobre GranTurismo 5

Não gosto de comparar Forza com GT5. Eles tem características próprias (Forza é mais cool, GranTurismo é mais “realista”). Mas não dá para negar a paixão por carros de toda a equipe que desenvolveu ambos os jogos. GranTurismo 5 não é perfeito, mas é uma experiência com carros feita com muita paixão.

E em uma nota pessoal, ele tem uma certa história comigo – foi o último jogo de vídeo game que meu pai jogou. Sim o meu velho guiou um Fiat 500 1969 e se divertiu demais. Cena priceless que ficou na memória feliz. Além disso, em meu ultimo aniversário, GT5 me presenteou com um carro virtual do ano que nasci, 1980. O carro foi um Renault 5 Turbo Vermelho…. coincidência divertida já que meu carro atual da mesma marca e cor =)

facebook-profile-picture

Desmontei um rádio a pilha com 4 anos. Dei curto-circuito na casa toda com 5. Leio 4Rodas desde os 7. Aluguei 12 filmes na 1ª visita à locadora. Quebrei o gamepad do Atari de tanto jogar. Chorei no fim de Lost. TI na veia profissional. Tricolor Paulista de coração.


Veja outros artigos por