Quem somos | Envie dicas | Contato

Viajar parece um sonho inalcançável para muita gente, e quando se consegue separar uma graninha, o jeito é ir praquela cidade do interior, ou no máximo pra outro canto do país, afinal, ir pro exterior é caríssimo não é? Bom, não exatamente. Falarei sobre outros aspectos depois, mas hoje quero tratar de uma anomalia braileira: o preço da hospedagem.

 

Tente encontrar um hotel ou mesmo uma pousada pelo país, digamos São Paulo, Rio de Janeiro, Campos do Jordão, Recife… você provavelmente vai começar com preços na casa dos R$ 150 a R$ 200 a diária, talvez R$ 300, por algo bem mediano. Estamos tão acostumados com o isso que nem parece estranho.

Vejamos então uma data fora de feriados e numa distância razoável, 11 a 13 de Agosto. O quarto abaixo é do Hotel mais bem avaliado de Campos do Jordão pelo Booking na faixa de até R$ 180/diária. Mentira, não tem nenhum nesse valor, só pagando mais.

 

Em São Paulo tem:

 

No Rio de Janeiro:

 

No Recife fica pior:

 

Agora vejamos em Buenos Aires:

 

Muito bonito. E Madrid:

 

Nada mal não é? Que tal a capital dos milionários, Dubai:

 

Sim, o quarto acima custa pouco mais de R$ 160 a diária. E agora a Tailândia:

 

Uau. Sentiu a diferença? E isso porque não estou mostrando o lobby desses hotéis, ou a piscina, mas você pode conferir as fotos nos links.

Vamos fazer outro teste, agora aceitando pagar até R$ 370 reais por noite. Primeiro, Campos do Jordão, que agora ao menos tem opções:

 

Você pode dizer que a culpa é da alta temporada. Jura? As cidades que mencionarei abaixo, especialmente do exterior, recebem centenas de vezes mais turistas a qualquer época do ano e nem por isso tentam extorquir seus visitantes.

Em São Paulo já se consegue algo maior, ainda que meio antiquado:

 

No Rio de Janeiro até que é legal:

 

Recife não passa mais vergonha:

 

Agora saindo, novamente, Buenos Aires:

 

Enorme heim? Mas vamos ver uma das capitais “mais caras do mundo” segundo a crença popular: Paris:

 

Bacana, e tem até banheira, coisa rara no Brasil. Que tal agora Roma:

 

Um estilo clássico, tamanho legal. Vejamos Berlim:

 

Bem moderno, aconchegante. Agora temos Madrid:

 

Uma sala confortável, cama extra-grande e até uma cozinha compacta (veja nas outras fotos do local). Enfim, Dubai:

 

Que quarto maravilhoso, que vista, eu quero morar nele! E pra terminara Tailândia:

Sim, é o lugar inteiro, 158m², 3 quartos com camas de casal, com sala, escritório, cozinha, closet e até isolamento acústico – veja no link as demais fotos do local.

 

Os exemplos são muitos, poderia citar outras capitais do nordeste, do sul, e comparar com cidades menores da Europa, ficaria até mais vergonhoso. O que se nota é que muitas vezes a hospedagem no Brasil comparada a do exterior de mesmo preço oferece muito, mas muito menos qualidade, ou, dependendo do país, como as principais capitais da Europa que são conhecidas por serem “caras” para se hospedar, acabam tendo o mesmo preço/qualidade do Brasil.

Então por que criticamos o preço da Europa e não do Brasil? E olha que nem é justo comparar o preço de ambos em Reais, afinal uma diária de R$ 300 no Brasil é quase 1/3 do salário mínimo, enquanto essa mesma diária em Paris são 80 euros, uma pechincha para um europeu. Ou seja, mesmo quando o preço da diária oferece aproximadamente a mesma qualidade, ainda estamos pagando muitas vezes mais caro para viajar dentro do Brasil proporcionalmente ao salário do brasileiro, em comparação ao europeu viajando pelo velho continente.

Para piorar a situação, quando o Airbnb chegou ao Brasil tudo era uma maravilha – enquanto hotéis cobravam R$ 150 pelo mínimo aceitável, esse valor cobria um apartamento completo e confortável no sistema de locação direta. Mas nós temos o costume de estragar as boas ideias que chegam ao país e os preços tem decolado, se igualando ou até superando o de hotéis, e o Airbnb está perdendo muito sua atratividade por aqui, ficando interessante basicamente apenas para grupos maiores que dividirão o custo de alugar casas grandes.

 

As razões certamente são as mesmas que explicam termos os carros mais caros, os celulares mais caros… impostos, encargos trabalhistas, e lucro, porque sim, no Brasil há a tendência de se buscar uma margem acima da média mundial. Mas não entrarei no mérito político, tampouco vou culpar apenas os empresários, sei bem como empreender e empregar neste país é quase uma insanidade. Vou me ater a dica:

 

Viaje para o exterior sim! A hospedagem pode ser bem mais barata que viajar pelo Brasil, e ficando de olho em promoções de passagens aéreas, uma viagem bacana pode custar o mesmo que apenas ficar por aqui, sem conhecer novas culturas, cidades milenares, comidas exóticas e pessoas diferentes!

 

 

P.S.: Respondendo comentários, EUA é um caso a parte onde os preços variam muito de cidade para cidade. New York, mesmos critérios acima, só tem uma opção de hotel abaixo de R$ 370 a diária, e é um albergue chinês. Já Las Vegas tem tem hotéis muito legais entre R$ 180 e R$ 370. Pesquise sempre e não jogue dinheiro fora.

 

fonte: booking.com, pesquisa por faixa de preço, ordenada por melhores avaliados, visualizados 10 primeiros resultados para escolha do exemplo a ser utilizado com base no gosto pessoal do autor (a melhor avaliação pode ser enviesada por um preço menor dentro da faixa de preços, é preciso ser criterioso)

facebook-profile-picture

Administrador, desenvolvedor, gamer, tecnófilo, viajante, otimista nato, calmo por natureza. Criador do eco4planet, já escreveu para o Gizmodo e Papo de Homem e participou do podcast Guia Prático, do Manual do Usuário.
Veja outros artigos por